terça-feira, 5 de junho de 2012

SOBRE SUPLEMENTOS e OUTRAS "COISINHAS"




Depois de umas "férias" das postagens, retornamos hoje com um assunto que antes até gerava alguma polêmica e discussões. Porém, recentemente, temos a impressão que se tornou algo "normal", corriqueiro nas academias e fora delas.
Trata-se dos anabolisantes, que muitas vezes vêm disfarçados de "suplementos". Vivemos um mundo que cultua o corpo e ultrapassamos há muito o conceito de saúde e bem-estar e passamos para o alvo de um físico perfeito a qualquer preço.

É nesse ambiente que se alastra o uso ao redor do mundo do uso de substâncias hormonais com objetivo de aumentar a massa magra e de diminuir a gordura corporal. O sonho de qualquer um, seja atleta que no uso destas medicações vêem seus condicionamento e seu rendimento aumentar, seja a população geral que vislumbra um corpo "sarado".
O que as pessoas tem se esquecido é que tais drogas trazem muitíssimo mais custo do que benefício para a saúde e muitos têm usado de forma indiscriminado. Quem não ouviu dizer: " tá chegando as férias, vou fazer um ciclozinho para viajar para praia ".
Os mais usados são a testoterona injetável ( humana e animal) e hormônio do crescimento, além dos ditos "suplementos" , dentre os quais o FDA ( a "ANVISA americana" ) encontrou cerca de 300 produtos fraudulentos, promovidos principalmente para a perda de peso, para estimular o desejo sexual e para fisiculturismo que continham ingredientes escondidos ou identificados de forma enganosa, tais como:
  • ingredientes ativos contidos em medicamentos aprovados pela FDA ou seus análogos (medicamentos muito relacionados)
  • outros compostos, como os novos esteroides sintéticos, que não qualificam como ingredientes alimentares
Ainda o FDA recebeu inúmeros relatos de lesões associadas ao uso destes produtos, incluindo acidentes vasculares cerebrais, lesão hepática, insuficiência renal, palpitações cardíacas e morte. (fonte: http://www.fda.gov/ForConsumers/ConsumerUpdates/ucm247118.htm 15/03/2011). Trocando em miúdos o uso de suplementos adulterados, GH, anabolisantes em geral tem grande chance de levar a hepatite, câncer, infarto, derrame, diabetes, problema renal, arritimia cardíaca, problemas articulares, depressão/transtornos mentais, infertilidade, impotência, aumento de mama no homem, calvície ( queda de cabelo no homem e mulher), aumento de pêlos, rouquidão, atrofia testicular ( diminuição do volume do testículo ) com dependência permanente do uso de testosterona...

O fato é que não vale a pena usar anabolisantes ou outros hormônios para melhorar a forma física e, finalmente, devemos tomar muito cuidado com os "suplementos" pois muitos deles contém substâncias anabolisantes, hormonais e afins que podem trazer inúmeros problemas para a saúde.


 


Então, fica a dica: 
cuidado com os suplementos e corram de substãncias esteróides e anabolisantes!!!!

 

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

VALE A PENA VER DE NOVO!!


Já estou ficando cansado de escrever sobre sibutramina. 
Saiu depois de muita discussão a nova RDC da anivisa sobre os anorexígenos. Realmente é oficial: sai as anfetaminas e fica a sibutramina, ou não fica...
A ANVISA com esta RDC parece querer ditar a forma de prescrição, e não apenas regular ou fiscalizar, aliás parece que FISCALIZAR não é o forte da ANVISA, prova disto, é a venda desenfreada da liraglutida nas farmácias.
O fato é que a sibutramina fica, mas com 1 milhão de "exigências", como se nós endocrinologistas não fôssemos capazes de discernir ou julgar a indicação clínica da medicação conforme a realidade e condição médica de cada paciente. É uma confusão, pois da mesma forma que podemos ver os tribunais superiores legislando, parece que agora a "agência"  reguladora quer PRESCREVER.
Só para se ter uma idéia a determinação obriga a endocrinologistas e pacientes a assinar um termo de responsabilidade ( como se o ato médico já previsto pelo CÓDIGO DE ÉTICA já não dispõe sobre tal fato) em 3 vias que DITA as INDICAÇÕES E CONTRA-INDICAÇÕES, influenciando na prescrição ou prescrevendo ou não o que per si é um ato médico. Sem falar no aumento dos custos do consultório médico com mais papel e tinta a serem gastos e claro do tempo perdido no preenchimento dessas "obrigações".
Para os mais legalistas e polidos que possam questionar minhas colocações não deixem de ler a resolução e conversem com médicos e pacientes que lutam contra a obesidade. 
Aos pacientes peço paciência, muita paciência, pois teremos um caminho um "pouco" mais difícil no tratamento da obesidade.
Para terminar é digno de nota que as entidades médicas de representação e científicas como o CFM, ABESO e SBEM devem entrar na justiça contra tal resolução.
Mais uma vez devemos nos firmar na FÉ e somente na FÉ, pois a expectativa depositada sobre " homens " é sempre falível e decepcionante.